Poluição nas praias da Região Oceânica de Niterói atinge recordes em 2011

O ano de 2011 foi o pior para a poluição nas praias da região oceânica de Niterói. Isso não é novidade alguma para ninguém que frequentou as praias da região, que ficaram insuportáveis, especialmente no final do ano. A população viu, sentiu o odor e se enojou com as praias em dezembro. Mas há um documento do INEA que comprova essa degradação com números, mais especificamente a quantidade de Coliformes Fecais e Enterecocos.

Em resumo: 2011 foi a primeira vez que Itacoatiara e Piratininga não estiveram (em média) ótimas para banho. Camboinhas passou pela primeira vez de boa para regular. Veja abaixo o gráfico (baseado no documento do próprio INEA):

Condições de balneabilidade, segundo o INEA, das praias oceânicas de Niterói

Clique na imagem para ampliar

Não é aceitável a contaminação e degradação dessas praias. Essas bactérias não vieram, de repente, do esgoto originado da própria região. Isso talvez explicasse uma ou outra praia sofrendo degradação, assim como, às vezes, o Leblon está impróprio para banho mas Ipanema está ok (duas praias que são conectadas). Mas qual seria a explicação do INEA para o fato de  TODAS as praias da região apresentarem condições de balneabilidade degradadas? Eis a explicação do INEA:

“O ano passado foi atípico, choveu bastante.” — Fátima Soares, Gerente de Qualidade de Água do INEA, em comentário ao Jornal do Brasil.

Choveu, Fátima? O PreserveAssim.org obteve os dados relativos ao total de precipitação na estação principal do INMET (Instituto Nacional de Meteorologia) no Rio de Janeiro, localizada no Flamengo.  O total anual de chuvas para os anos  2002 a 2011 (2000 e 2001 não estão disponíveis online) é o seguinte:

Precipitação Anual na Estação Aterro do Flamengo (83743), do INMET, para os anos 2002-2011
Precipitação Anual Total na Estação Aterro do Flamengo (83743)     do INMET, para os anos 2002-2011

2011, o ano em que o INEA culpa as chuvas por trazer recordes de poluição para as praias de Niterói, teve menos de 900mm de chuva. Isso é praticamente METADE da precipitação de 2010, o ano-tragédia (a pior chuva dos últimos 44 anos na região do Rio de Janeiro). Em outras palavras, 2011 fica em 9º lugar no ranking de quantidade de chuva no período 2002-2011.

Explica a degradação das águas agora, INEA. Será que a Fátima cometeu um engano? Será que vocês subestimam a inteligência dos jornalistas e da população em geral?!

Ou será que vocês estão escondendo o que a população, todos os pescadores da região e também membros da Universidades Federais já sabem? Os dejetos que foram dragados do fundo da Baía de Guanabara e trazidos para o ponto D (abaixo) – entre julho de 2011 e o Carnaval de 2012 – são os responsáveis pela degradação da água do mar da região.

Novo ponto de despejo da operação bota-fora é somente a 10km da costa.

Em breve essa operação irá recomeçar e a sugestão atual é chamado ponto E, apenas 1.3km mais longe da costa do que o ponto anterior.
Assine a petição contra esse absurdo: as praias, o mar, a vida marinha e as futuras gerações precisam que você comece a agir  AGORA – ASSINE.

Leave a Reply